sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Ave Sangria - Relançamento 2014



Aee galera, já encomendei o meu!!!  Quem quizer vai o link aqui!

Passa Discos: http://www.passadisco.com.br/musica-pernambucana/cd-ave-sangria-ave-sangria-selo-ripohlandia-pre-venda-entregas-a-partir-de-15-de-setembro/

Vale adiantar, que esse também foi um dos discos que quando conheci não conseguia parar de escutar!!!   
NOTA 10 na cabeça!!   Estou louco para pegar essa nova versão, espero que tenham melhorado o som, que nos mp3s do underground é um pouco sofrivel!


Erik.


2014 não é o ano em que somente o álbum Loki?, de Arnaldo Baptista, comemora 40 anos , é também o aniversário de outro álbum espetacular e muito menos lembrado que o supracitado: Ave Sangria  , lançado em 1974 pela banda homônima.
Ave Sangria é uma banda que surgiu no começo dos anos 70, em Recife-PE, formada pela junção de músicos que queria tocar músicas próprias, com um compositor que precisava de músicos, ou seja, uma combinação perfeita..
Faziam parte da banda Marco Pólo (vocalista e compositor), Almir de Oliveira (baixo),  Ivinho e Paulo Rafael (guitarras), Israel Semente Proibida (bateria), Agrício Nóya e Rafles (percurssões), a qual, em um primeiro momento, se chamava Tamarineira Village, em referência ao local em que a banda surgiu.
O som da banda desde o início se destacava do ordinário, com a magistral mistura de rock e elementos da música nordestina, com uma boa pitada de psicodelismo. Além disso, o grupo já chamava atenção por sua característica transgressora, em anos em que a ditadura militar e sua repressão  comiam solta.
Os membros da banda, segundo alguns boatos / relatos, maquiavam-se, passavam batom, beijavam-se entre si em algumas de suas apresentações, características que somadas a sua qualidade musical, fez a banda cair nos braços dos jovens adeptos da contracultura, sendo uma das bandas de destaques da região.
Após o enorme sucesso do álbum debutante da banda Secos & Molhados , lançado em 1973, as gravadoras se convenceram que era possível fazer dinheiro com o rock nacional. Diante disso, diversos "olheiros" procuravam por uma nova banda para ser explorada explodir.
A banda Tamarineira Village, que agora se chamava Ave Sangria, em razão das fastidiosas explicações que a banda tinha que dar quando tocavam em outros estados, em razão do regionalismo do nome, foi contratada pela Continental, gravadora dos Novos Baianos , para lançar um álbum. O nome surgiu de uma lorota contada pelo compositor e vocalista Marco Pólo, que explicava que a banda estaria em uma estrada deserta, no interior da Paraíba, quando encontraram uma velha cigana, que ao vê-los ficou alterada e os chamou aves sangrias. O grupo gostou e acabou adotando o nome.
Assim sendo, em 1974, é lançado o seu álbum debutante, o homônimo Ave Sangria.
Logo que foi lançado, o disco começou a fazer sucesso, principalmente por causa da canção Seu Waldir, em que demonstra a desilusão amorosa do interlocutor, que teve seu coração partido. Vale a transcrição de um trecho da música: "Seu Waldir, o senhor / Magoou meu coração / Fazer isso comigo, Seu Waldir / Isso não se faz, não / Eu trago dentro do peito / Um coração apaixonado / Batendo pelo senhor / O senhor tem que dar um jeito / Se não eu vou cometer um suicídio / Nos dentes de um ofídio vou morrer". De cara você já consegue visualizar a irreverência da banda.
Segundo o compositor da canção, Marco Pólo, a canção foi feita para Marília Pera, a qual acabou desistindo de gravar a canção. Entretanto, como de costume, ele inventou a estória de que Seu Waldir, na verdade, era o proprietário de um boteco em Olinda, por quem havia se apaixonado e se inspirado para compor a música.
Óbvio que o catupiry da sociedade conservadora não gostou nem um pouco dessa história de homoafetividade. Logo surgiram alguns jornalistas fazendo uma propaganda contra a música, dizendo que era atentatória a moral da sociedade. A notícia acabou chegando aos ouvidos de uma mulher casada com um general, que contou ao marido, o qual entrou em contato com a polícia federal, oportunidade em que a censura proibiu a música de ser tocada na rádio e tirou os discos de circulação.
Diante da censura, um mês depois o álbum foi lançado sem Seu Waldir, entretanto o álbum, infelizmente, já não teve um grande impacto nesse retorno -  foi uma ducha de água gelada para a banda, que acabou se dissolvendo pouco tempo depois, pois não tinham mais uma perspectiva em continuar, sendo o estopim para o término da banda.
Apesar do triste fim, para nossa sorte conseguiram lançar, ao menos, um disco, o qual é ótimo na íntegra. O álbum é composto pelas seguintes canções:
01. Dois Navegantes
02. Lá Fora
03. Três Margaridas
04. O Pirata
05. Momento na Praça
06. Cidade Grande
07. Seu Waldir
08. Hei! Man
09. Por Que?
10. Corpo em Chamas
11. Geórgia, a Carniceira
12. Sob o Sol de Satã
  
Fonte: http://www.confradewashington.com.br


Postar um comentário